O quanto você realmente escuta o outro?

7 Dicas para escutar com mais atenção e melhorar sua empatia


Depositphotos_11107772_m-2015.jpg

Fazemos um grande esforço para ouvir o outro, mas estamos realmente escutando alguma coisa do que ele/ela tem para nos dizer?

 

Com tanta informação, enxurradas de notícias e novos conhecimentos chegando para nós o tempo todo, das mais diferentes fontes, a sensação que temos é de que estamos sempre deixando algo importante passar. Impossível dar conta de tudo! E ainda tem o outro ao nosso lado para darmos atenção. E como ele ou ela ficam?  Sem querer usar esse fato como desculpa, mas também por conta dessa e de tantas outras distrações, nossa capacidade de escutar o outro acaba sendo invariavelmente afetada. Parar para se concentrar no que a pessoa a nossa frente está nos dizendo, e verdadeiramente se conectar com o outro, parece uma tarefa cada dia mais difícil, não acham?

 

Como profissionais, amigos e familiares tentamos compreender plenamente o que nossos clientes, funcionários, chefes, colegas de trabalho, amigos e parentes estão nos dizendo. Tentamos ouvir algo que nos ajudará entender melhor o outro, construir compaixão e criar empatia.

 

Entretanto, por mais que nos esforcemos, inúmeras vezes o ato de ouvir acaba se concentrando muito mais naquilo que acreditamos e pensamos, do que realmente em entender a mensagem que nossos clientes, familiares e amigos estão tentando transmitir.

 

O quanto do que ouvimos fica retido em nossos filtros, resultando em uma confusão de mal-entendidos ou interpretações equivocadas, e o quanto nós absorvemos corretamente qual era a real intenção do outro?


Como podemos desenvolver nossa capacidade de escuta genuína, e como podemos melhorar ainda mais a habilidade que já temos?


Aqui estão algumas dicas valiosas para ficar bem atento e não correr o risco de cair nessa armadilha:

1. EU TENHO A SOLUÇÃO PARA SEU PROBLEMA. Note se você está escutando, somente preocupado em dar uma resposta para a situação sendo narrada pela pessoa.

2. JÁ SEI ONDE ESSA HISTÓRIA VAI DAR. Fique atento à sua própria fala quando estiver ouvindo alguém. Alguma vez você já se pegou pensando assim? "já sei bem onde ele quer chegar com isso que ele está dizendo..."

3. ESSA PESSOA TEM UMA REALIDADE TÃO DIFERENTE DA MINHA OU É TÃO DIFERENTE DE MIM QUE NEM ADIANTA PRESTAR MUITA ATENÇÃO. Às vezes são justamente com essas pessoas tão diferentes que mais aprendemos. Já pensou nisso?

4. VOCÊ DEVERIA ESTAR FAZENDO DA FORMA QUE EU ACREDITO SER A MAIS CORRETA. Perceba se ao escutá-la, você não está pensando no que você acha que ela deveria fazer, ao invés de tentar entender o que ela está lhe narrando ou descrevendo.

5. NEM ADIANTA OUVI-LA, ELA SEMPRE AGE DESSA FORMA OU PENSA DESSA MANEIRA, NÃO IMPORTA O QUE EU DIGA. Observe seus julgamentos relacionados à pessoa com quem está falando. Nossas crenças a respeito dos outros atrapalham demasiadamente nossa escuta. Por exemplo, se você vai conversar com seu funcionário que tem chegado com frequência ao trabalho atrasado, e estiver pensando em sua mente: “ele chega sempre atrasado, é um descompromissado”. Certamente esse pré-julgamento irá atrapalhar o diálogo entre vocês, e qualquer argumento que a pessoa lhe trouxer, não lhe importará.

6. O QUE EU GOSTARIA DE OUVIR. Perceba se você está ouvindo o que deseja ouvir, e por consequência descartando qualquer outra informação que não lhe interessa, ou que não corresponda ao seu desejo interno.

7. MEU CELULAR PRÓXIMO DE MIM. Nos dias de hoje, nada mais cordial e respeitoso do que deixar o celular dentro da bolsa ou pasta de trabalho ao sentar para tomar o café com um amigo, almoçar com a mãe ou fazer uma reunião na empresa. Esse é certamente um dos maiores motivos de desviarmos a nossa atenção e não prestarmos real atenção ao que o outro nos diz.


Todos nós temos inúmeras oportunidades diariamente de escutar os outros e certamente podemos nos tornar experts neste assunto. Está pronto para dar um passo maior no desenvolvimento da sua escuta genuína? Tenho certeza de que impactará diretamente na qualidade dos seus relacionamentos!

 


Pense no que você pode começar a fazer hoje mesmo para melhorar essa habilidade e não perca tempo. Sucesso!


Gostou? Indique a um amigo!

Histórias inspiradoras: mudança de carreira – Parte 3

Encontrar uma carreira que traga satisfação e realização é possível em qualquer fase da vida. E para inspirar quem está pensando em alguma transição, apresento a vocês a terceira entrevista de uma série, com profissionais que realizaram o processo de Coaching de Carreira comigo e que, por diferentes circunstâncias, saíram de sua zona de conforto e fizeram mudanças significativas em suas trajetórias profissionais!


Foto Vitor.jpg

Terceiro relato | Vitor Macedo 

O terceiro relato é o do Vitor Macedo, profissional que, após atuar por anos em Trade Marketing e passar por diversos questionamentos profissionais, conseguiu reencontrar um caminho dentro da área de Marketing. Agora, com mais leveza, ele continua sua jornada em busca da realização.

Poderia nos contar brevemente sobre sua trajetória profissional?

Sou formado em Comunicação Social com ênfase em Propaganda e Marketing, e acabei optando por seguir pelo caminho de Marketing voltado para marcas e branding, onde comecei estagiando na Pernod Ricard. Após 2 anos, optei por ter um período de experiência em Trade Marketing para ter mais contato com a área de Vendas, onde fiquei por mais 3 anos. Quando fui para Trade conheci uma realidade bem diferente das minhas expectativas: muita atividade operacional, pouco tempo para "pensar", muita pressão e ambientes corporativos que não estavam alinhados com minha maneira de encarar a vida. Mas tinha dificuldade de sair da área, pois todas vagas de emprego que apareciam eram em Trade.


Em que momento/como surgiu sua motivação para fazer uma mudança?

Eu já vinha apresentando insatisfações ao longo da minha carreira. Durante 5 anos de atividade, não fiquei mais de 2 anos em uma empresa. Trabalhei por 1 ano e meio na Colgate-Palmolive como Trade Marketing – mesmo insatisfeito, permaneci ali pois tinha qualidade de vida. Porém, já não tinha mais ânimo e motivação para desempenhar um trabalho de qualidade e, em um período de crise, fui desligado. Passei cerca de 6 meses tentando "colocar a cabeça no lugar", mas sem vontade de me recolocar em uma vaga para Trade Marketing. Isso me acendeu uma luz vermelha de que algo precisava mudar, pois eu não estava disposto a carregar aquele fardo para o resto da minha vida.


De que forma o Coaching de Carreira lhe ajudou nessa transição? E qual foi o maior ganho do processo para você?

A maior contribuição do coaching foi sem dúvida me conhecer melhor e dedicar um tempo para pensar em mim. As atividades te forçam a parar e pensar em si, no seu passado, nas suas paixões e também naquilo que você não gosta e rejeita. Muitas vezes na inércia do dia a dia não paramos para fazer isso. Uma coisa é clara para mim: o coaching é o direcional, é o início de um processo que só você mesmo vai conseguir resolver. Ele te dá opções e caminhos possíveis, mas não a solução. Hoje eu voltei a trabalhar com Marketing, que não é o meu sonho de carreira, mas é uma etapa provisória que encaro com muito mais leveza e coragem do que antes. Estou dando um passo de cada vez, para no futuro fazer realmente as mudanças que almejo.


Qual dica você daria a alguém que esteja lendo seu depoimento e em busca de um trabalho com mais significado e propósito?

Se eu pudesse voltar no passado, talvez eu tivesse trilhado um caminho diferente para a minha carreira. Porém, nunca é tarde para mudar. O mais importante é que você consiga acordar todos os dias e sentir que está fazendo algo que te engrandece, que faz parte da sua vida. Hoje ainda não tenho esse sentimento por completo, mas tenho plena consciência que um dia vou chegar lá. Se você tem, como eu, essa pulga atrás da orelha te dizendo que tem algo errado e que você não nasceu para trabalhar e viver sua vida profissional da maneira atual, não deixe essa ideia ir para debaixo do tapete. No futuro isso pode se tornar um peso muito maior. Investigue, reflita, procure ajudas externas para ter suas respostas. Muitas vezes quando estamos perdidos nossa cabeça não funciona sozinha, e é muito bom quando alguém te ajuda a desembaralhar seus pensamentos.


Compartilhe os três depoimentos da série com aqueles que possam estar nesse momento de vida!

 

Histórias inspiradoras: mudança de carreira – Parte 2

Encontrar uma carreira que traga satisfação e realização é possível em qualquer fase da vida. E para inspirar quem está pensando em alguma transição, apresento a vocês uma série de três entrevistas com profissionais que realizaram o processo de Coaching de Carreira comigo e que, por diferentes circunstâncias, saíram de sua zona de conforto e fizeram mudanças significativas em suas trajetórias profissionais!


Marcella_2.jpg

Segundo relato |  Marcela Albanez

O segundo relato é da Marcella Albanez, sócia-fundadora da MammySitter (www.mammysitter.com), uma empresa que tem como propósito trazer leveza e praticidade à vida da mãe, mulher e profissional, dando suporte e executando tarefas do dia-a-dia por meio de uma assistente pessoal compartilhada.

 
marca oficial.jpg
 

Poderia nos contar brevemente sobre sua trajetória profissional?

Quando meu segundo filho nasceu, eu estava prestes a completar 10 anos de carreira no mercado de agronegócio. Entrei na área no meu primeiro ano de faculdade e aquilo para mim era um mundo do qual eu não nunca sairia; pensava que, por ter começado cedo e por cedo também ter conseguido uma posição de coordenação em uma multinacional (23 anos), essa era a única área que eu poderia construir uma carreira de sucesso.


Em que momento/como surgiu sua motivação para fazer uma mudança?

Sempre fui apaixonada pelo meu trabalho. Passei por empresas e equipes maravilhosas (minha ex-gerente é hoje minha sócia), mas o nascimento do Gabriel me fez refletir; ficar em casa com ele e com a Rafaella (na licença-maternidade) me mostrou que eu era muito mais do que eu poderia ser como mãe e como profissional, mas que para isso eu precisava sair da zona de conforto. Junto com essa reflexão vieram os medos e as incertezas, “será que eu consigo mesmo me reencontrar profissionalmente?”, “será que eu me adaptarei e terei resultados positivos?”. Foi então que eu decidi fazer o Coaching de Carreira para encontrar as ferramentas certas para responder aos meus conflitos internos.


De que forma o Coaching de Carreira lhe ajudou nessa transição? E qual foi o maior ganho do processo para você?

O Coaching de Carreira mostrou que minhas habilidades poderiam ser aplicadas em outras áreas, percebi que eu não era uma profissional apenas do mercado de algodão, ajudou a me fortalecer e assim, consegui enxergar que meus conhecimentos iam muito além do que eu imaginava. Com isso, mudei e consegui focar e alcançar a minha meta de empreender para ter flexibilidade na criação dos meus filhos e autonomia profissional.


Qual dica você daria a alguém que esteja lendo seu depoimento e em busca de um trabalho com mais significado e propósito?

Não tenha medo de mudar, arrisque, mesmo que seja primeiro de uma forma mais “conservadora”. Eu não empreendi logo que terminei o Coaching; eu trabalhei em uma empresa pequena como Gerente Financeira (uma loja de moda feminina que atua no atacado e varejo), e esse passo me fez entender melhor como é realmente a vida de um empresário, me fez desenvolver novas habilidades como gestora, compreender que as cifras são menores, mas que as responsabilidades são muito maiores. Essa experiencia foi fundamental para eu mergulhar no empreendedorismo.

Hoje a empresa na qual sou sócia, a MammySitter, tem como propósito trazer leveza e praticidade à vida da mãe, mulher e profissional; cuidar de quem passa a maior parte do tempo cuidando de tudo e todos. E esse modelo de negócio surgiu pelos nossos próprios questionamentos quando mães e executivas: “como eu conseguia administrar a vida profissional e pessoal antes? Não estou mais 10 horas no escritório, mas não paro um minuto!”... Tanto eu quanto minha sócia nos fortalecemos e nos reinventamos profissionalmente com o processo de Coaching de Carreira.

Na minha opinião, o passo primordial é o autoconhecimento - se conhecer melhor faz com que você tenha controle sobre suas emoções, valores, crenças e desejos. Com isso mapeado, buscar seu propósito fica simples e natural. O seu propósito então é o grande mentor dos seus próximos passos. Sem ele, você não sabe para onde vai e pode facilmente desviar do seu caminho. Trabalhando com o meu propósito, me sinto profundamente motivada a vencer esse novo desafio em minha carreira profissional.


Acompanhe o próximo post para conhecer a terceira história! E compartilhe com aqueles que possam estar nesse momento de vida. 

 

Histórias inspiradoras: mudança de carreira – Parte 1

Encontrar uma carreira que traga satisfação e realização é possível em qualquer fase da vida. E para inspirar quem está pensando em alguma transição, é com muito orgulho que apresento a vocês uma série de três entrevistas com profissionais que realizaram o processo de Coaching de Carreira comigo e que, por diferentes circunstâncias, saíram de sua zona de conforto e fizeram mudanças significativas em suas trajetórias profissionais!


Lu Nardini 1708156.jpg

Primeiro relato |  Luciana Nardini

O primeiro relato é da Luciana Nardini, fundadora da LN Assessoria Pessoal (www.lnassessoriapessoal.com.br), uma consultoria que orienta as pessoas na reorganização da vida, compreendendo a dinâmica e identificando os gaps de cada um para colaborar no planejamento de uma melhor jornada. Na entrevista abaixo ela nos conta como aconteceu o despertar para a mudança, os fatores fundamentais do processo e dá suas dicas para quem pretende fazer uma transição. 

 
 
LN Assessoria Pessoal.jpg
 
 

Poderia nos contar brevemente sobre sua trajetória profissional?

Sou formada em Administração pela FMU, pós-graduada em RH pela FAAP e com MBA pela FIA. Ao longo de mais de 20 anos construí minha carreira profissional na área de Recursos Humanos, sempre trabalhando em grandes corporações como Laboratório Fleury, FIAT, AOL e CHEP.


Em que momento/como surgiu sua motivação para fazer uma mudança?

Eu havia sido promovida recentemente, minhas avaliações estavam sempre ótimas. Então, em janeiro de 2016, fiquei sabendo que meu cargo na empresa em que trabalhava há 12 anos seria extinto. O time operacional de RH passaria a responder diretamente à liderança global e os heads de cada país, como eu, seriam demitidos a curto prazo.


De que forma o Coaching de Carreira lhe ajudou nessa transição? E qual foi o maior ganho do processo para você?

O Coaching de Carreira me ajudou na identificação das inúmeras possibilidades que eu teria para dar seguimento à minha carreira profissional. Por meio de um processo baseado em diálogo e questionamentos, me tornei mais segura para tomadas de decisões conscientes. Um dos maiores ganhos foi materializar minhas reflexões, pensamentos e anseios, traçando o caminho que eu realmente queria seguir.


Qual dica você daria a alguém que esteja lendo seu depoimento e em busca de um trabalho com mais significado e propósito?

O passo primordial é o autoconhecimento - se conhecer melhor faz com que você tenha controle sobre suas emoções, valores, crenças e desejos. Com isso mapeado, buscar seu propósito fica mais simples. O seu propósito é o grande mentor dos seus próximos passos. Sem ele, você não sabe para onde vai e pode facilmente desviar-se do caminho. Trabalhando com o meu propósito, me sinto profundamente motivada a vencer esse novo desafio em minha carreira profissional.


Acompanhe os próximos posts para conhecer novas histórias! E compartilhe com aqueles que possam estar nesse momento de vida. 

 

Está vivendo um momento difícil? Use-o como aliado para sua transformação!

dhruva-reddy-299374-unsplash.jpg

 

Você já percebeu que os períodos mais complexos são aqueles em que mais crescemos? O ser humano aprende muito com a dor: um chefe difícil, uma grande perda, uma demissão, uma separação, e por aí vai.

 

O fato é que os momentos críticos em nossas vidas realmente despertam oportunidades para descobrirmos grandes potencialidades em nós mesmos! O sofrimento é um dos principais fatores geradores de evolução.


Tente se recordar de alguma situação desafiadora e crítica da qual passou. Se você parar e refletir, lembrará que provavelmente logo após esse período veio uma volta por cima, uma grande transformação. E se você se esforçar mais um pouco, certamente se recordará de importantes características suas, reais fortalezas, que vieram à tona e te ajudaram nesse episódio.


Você está passando atualmente por um momento (pessoal ou profissional) no qual se sente em uma encruzilhada ou com dificuldade para agir? Faça um exercício simples: liste 3 situações desafiadoras e relevantes pelas quais passou em algum período da vida e, para cada uma, relacione de 3 a 5 fortalezas que percebeu em você nessas ocasiões.

Quando finalizar, reveja a lista dos seus pontos fortes. Certamente serão bons motivadores que te estimularão a sair da inércia e enfrentar os desafios que precisam ser encarados.


Lembre-se sempre que a crise é uma oportunidade de crescimento e siga em frente em busca dos seus sonhos. Você mesmo já provou, nessas ocasiões anteriores, que consegue ir além!

 


Suas crenças pessoais podem estar atrapalhando a realização de seus sonhos. Entenda o conceito de “mindset” – Parte I

Mindset.jpg

A renomada psicóloga e professora Carol Dweck, da Universidade de Stanford, é uma das maiores especialistas em sucesso e motivação. Ela percebeu que a nossa atitude mental tem muito mais poder na busca pelo sucesso do que nossas habilidades e talentos. Os resultados de décadas de pesquisas nesse sentido são apresentados no livro “Mindset” – e, por serem tão inovadores, serão abordados nos próximos três textos do blog. A ideia é que possamos usar esses aprendizados para o desenvolvimento do nosso potencial e para alcançar nossos objetivos e sonhos.


A base do entendimento dos diferentes mindsets vem do poder das CRENÇAS PESSOAIS, que têm forte influência sobre aquilo que desejamos e sobre as chances de consegui-lo. A mudança de uma simples crença a respeito de si mesmo ou de outra pessoa é capaz de produzir efeitos profundos. Uma grande parcela do que você acredita ser sua personalidade na verdade é gerada por esse mindset, assim como muito do que impede a realização de seu potencial.


Para começar a entender esse conceito, é preciso primeiramente compreender as diferenças de cada mindset:

Mindset fixo – se baseia na crença que as qualidades são imutáveis.

Mindset de crescimento – se baseia na crença de que cada um de nós é capaz de se modificar e se desenvolver por meio do esforço e da experiência.


Como pode uma crença ter o poder de transformar sua vida? É simples: a opinião que você adota a respeito de si mesmo afeta profundamente a maneira pela qual você vive. Acreditar que suas qualidades são imutáveis cria uma necessidade constante de provar a si mesmo seu valor, enquanto que acreditar que é possível desenvolver as qualidades desejadas cria uma paixão pelo aprendizado e pela sua evolução.

O mindset de crescimento permite às pessoas prosperar mesmo nos momentos mais desafiadores de suas vidas, uma vez que elas acreditam que são capazes de se aperfeiçoar.


Quer saber qual mindset principal que está orientando a sua vida?

Então pare um minuto e faça esse exercício do livro: Mindset, a nova psicologia do sucesso.

Leia as afirmativas a seguir e responda se, no geral, você concorda ou não com as frases:

1.      Sua inteligência é algo muito pessoal e você não pode transformá-la consideravelmente.

2.      Você é capaz de aprender coisas novas mas, na verdade, não pode mudar seu nível de inteligência.

3.      Qualquer que seja seu nível de inteligência, sempre é possível modificá-lo.

4.      Você é capaz de mudar substancialmente seu nível de inteligência.

As afirmativas 1 e 2 referem-se ao mindset fixo. As de número 3 e 4 refletem o mindset de crescimento. Com qual dos dois grupos você mais se identifica? Pode ser que sua resposta seja mista, pois é possível que tenhamos um pouco de cada mindset. Entretanto todos nós nos inclinamos mais para um grupo do que para outro.

Tente também substituir “inteligência” nas frases acima por outras capacidades como “aptidão para os esportes”, “sensibilidade para as artes”, “tino comercial”, “capacidade analítica”, etc.


O mindset fixo faz com que você se preocupe com a forma pela qual será avaliado, enquanto que o de crescimento torna-o engajado com seu aperfeiçoamento.

O mais empolgante disso tudo é que você é capaz de mudar seu mindset! Vou falar deste assunto no próximo texto. Até lá!

 

IKIGAI - Quando PAIXÃO, MISSÃO, TRABALHO e VOCAÇÃO se encontram.

IKIGAI.jpg

Semana passada estive em um evento do TEDx São Paulo que abordou o futuro do trabalho. Dentre tantos conteúdos interessantes, um me emocionou: o palestrante iniciou sua apresentação projetando a imagem acima, que resume perfeitamente este conceito que venho, há semanas, estudando para dividir com vocês.


A palavra IKIGAI é antiga, mas seu significado nunca foi tão atual. Apesar de não haver uma tradução direta, seu conceito traz a ideia de “uma razão para viver mais e melhor”.

Todos nós estamos em busca do nosso IKIGAI único, mas só o encontramos quando conseguimos alinhar e equilibrar:

O que eu AMO fazer;

O que o mundo, uma comunidade ou as pessoas PRECISAM;

Como eu consigo exercer minhas HABILIDADES e TALENTOS naturais;

O que eu posso RECEBER por isso.


Mas afinal, o que a palavra IKIGAI tem de tão especial e relevante?


Para entendermos sua importância, precisamos conhecer sua origem. A palavra surgiu na ilha japonesa de Okinawa, onde existem mais pessoas centenárias do que em qualquer outro lugar do mundo.


Qual o segredo dessa longevidade ímpar e de que maneira eles são inspirados a permanecerem ativos até o fim da vida?


É simples: essas pessoas possuem uma ALEGRIA de viver fora do comum, que brota dos nativos e guia suas vidas por um caminho longo e feliz.

Além dos aspectos da imagem acima, há alguns outros pilares que também fazem parte dessa equação e são muito presentes na vida dos centenários:

O sentido de PERTENCER à uma comunidade;

Eles praticam desde pequenos o TRABALHO EM EQUIPE, que os incentiva a ajudarem-se mutuamente;

Cultivam as AMIZADES;

Fazem uma DIETA LEVE e se alimentam de produtos naturais cultivados por eles;

DESCANSAM adequadamente;

EXERCITAM-SE de forma equilibrada;

CELEBRAM cada amanhecer.


De acordo com os japoneses, IKIGAI é isso: um conceito que motiva e dá sentido à vida de cada um. E por ser diferente de pessoa para pessoa, requer autoconhecimento:

O que lhe faz levantar todos os dias?


Que tal transpor estes ensinamentos para descobrir seu próprio IKIGAI? Sugiro começar elegendo alguns dos componentes acima mencionados e implementar pequenas ações diariamente.

Caso tenha curiosidade de saber mais a respeito do tema, recomendo o livro “IKIGAI – Viva Bem até os Cem”, dos autores Hector García e Francesc Miralles.


Quem encontra seu IKIGAI leva consigo tudo o que precisa para uma jornada longa e feliz!


Como promover mudanças efetivas em minha vida? – Parte 2

No último post do blog falei sobre como iniciar um processo de mudança em qualquer área da vida (emocional, financeira, profissional, física, etc.). Hoje trago outras três dicas que completam esse processo de reflexão e orientam para a ação!

Depositphotos_38461755_m-2015.jpg

Dica #3: Faça uma lista dos três PONTOS FRACOS mais importantes nesse momento da sua vida


O que você percebe que atrapalha o seu dia-a-dia e dificulta o processo para atingir seus objetivos mais importantes?

Eu sugiro que você comece escolhendo aquele ponto fraco que mais atrapalha nesse momento da sua vida. Agora pense em alguma situação específica em que você, mesmo com essa dificuldade, conseguiu ter sucesso. Exemplo: se um ponto fraco seu é a ansiedade, pense em uma situação em que você conseguiu controlá-la e obteve sucesso. Eu tenho certeza de que em algum momento da vida você conseguiu deixar a sua ansiedade de lado.

Perceba o que foi exatamente que você fez que lhe ajudou a conquistar seu objetivo. Faça uma lista detalhada de cada uma das suas ações e reflita: o que eu posso pegar de aprendizado e usar para que numa próxima situação ela não me atrapalhe? Com base nessa experiência de sucesso, que ações eu posso tomar nesta nova ocasião para não deixar que a ansiedade me atrapalhe?

Pense então em alguma oportunidade específica ou em um desafio que você tenha neste momento da vida para praticar essa habilidade e liste possíveis ações que possa tomar. Não precisa ser um desafio tão complexo.

Faça uma lista dos seus três pontos fracos, pense em uma oportunidade para exercitar cada um deles e defina quais as possíveis ações a serem tomadas.


Uma vez tendo em mente suas fortalezas, pontos a desenvolver e valores, é hora de pensar no futuro desejado: quais são as metas e objetivos para aquela área da sua vida?


Dica #4: Faça uma lista das suas METAS


Você consegue dizer com clareza quais são as suas metas e objetivos? Como é que saberemos que alcançamos algo e chegamos lá, se não temos uma lista das nossas metas de vida? Alcançá-las nos dá uma sensação de realização, conquista e plenitude.

Cada um tem objetivos diferentes. O que é importante para você talvez não seja para outra pessoa. Alguns querem dar a volta ao mundo, conhecer diferentes lugares e culturas. Para outros, ter a casa própria é a prioridade.


Eu sugiro então que você comece hoje a listar suas metas e seus objetivos mais importantes. Tendo expandido seu autoconhecimento e refletido sobre onde quer chegar, é hora de traçar um plano de ação.


Dica #5: Defina um plano de AÇÃO


Descreva passo-a-passo o que pretende fazer para alcançar seus objetivos. Liste as ações em ordem cronológica, com datas e prazos para a realização de cada uma. É importante pensar quais são os possíveis obstáculos e o que poderá ser feito caso eles apareçam.


Assim que finalizar seu plano de ação, respire fundo e coragem: é hora de agir. As chances de promover a tão almejada mudança, agora de forma planejada e consciente, são expressivamente maiores!

 

Boa sorte!

Como promover mudanças efetivas na minha vida? – Parte 1

a-l-117993.jpg

Quero e tento mudar uma questão na minha vida mas não consigo. Essa é uma das frases que mais ouço dos meus novos clientes de coaching. Mas qual a razão de muitas vezes não conseguirmos nos mover para sair de uma situação que não nos agrada e não nos faz felizes?

Para promover mudanças em qualquer área (emocional, financeira, profissional, física, etc.), alguns fatores são absolutamente fundamentais. Precisamos nos conhecer e saber onde queremos chegar. A ação é essencial, mas o autoconhecimento é fundamental para direcioná-la.

Para ajudá-lo nesse processo, separei algumas dicas preciosas. Nesse artigo falarei sobre duas delas e, no próximo post, abordarei mais três.


Dica #1: Faça uma lista dos seus VALORES mais importantes


Para que você se sinta feliz e satisfeito em qualquer área de sua vida, seja no trabalho, nos relacionamentos ou na sua vida pessoal, é fundamental que você saiba quais são os valores que norteiam suas escolhas. Algumas pessoas valorizam mais o dinheiro do que o tempo livre e a flexibilidade de horários, por exemplo. Outras valorizam mais suas carreiras do que os seus hobbies.

Por isso é fundamental fazer esse exercício de autoconhecimento com base nos seus desejos e nas suas necessidades. Faça uma lista dos valores mais relevantes para você, começando pelos mais importantes.


Dica #2: Faça uma lista dos seus três maiores TALENTOS


Para que você caminhe no processo de autoconhecimento, é fundamental que tenha consciência sobre quais são seus maiores talentos.

Cada pessoa é única e essa é a graça da vida. O que você percebe que é fácil e espontâneo para você? Quais os talentos naturais que as pessoas reconhecem e dizem que você faz bem, naturalmente e sem esforço?

Pense naquelas situações nas quais você obteve sucesso ao longo da vida, quando conquistou algo relevante ou quando se destacou perante outras pessoas. Muito provavelmente você usou algum dos seus três maiores talentos.

Então eu proponho que você faça uma lista dos seus três talentos mais importantes. Esse é mais um passo fundamental para o seu autoconhecimento!


Aproveite o final de semana para refletir sobre esses pontos e não perca o próximo texto, que trará outras dicas importantes para concretizar as mudanças que você tanto almeja!

Como faço para encontrar meu propósito?

Após ler o post anterior, imagino que você já começou a refletir sobre o seu propósito. Mas para muitas pessoas a dúvida continua: como ter clareza sobre ele? Proponho então um breve exercício para ajudá-lo nesse processo.

Comece respondendo às cinco perguntas relacionadas a seguir. Tente pensar nessas questões em um local tranquilo e com um pouco de tempo disponível. Em seguida, grife as palavras mais relevantes nas suas respostas com caneta marca-texto.

Mão escrevendo.jpg

1 | Quais aspectos do seu trabalho atual e/ou vida pessoal que você curte fazer plenamente e que lhe trazem imensa felicidade?

2 | Quando foi a última vez em que você se sentiu em total sintonia com uma atividade a ponto de perder a noção do tempo? O que você estava fazendo?

3 | Em que você gosta de ajudar outras pessoas? De que forma você normalmente mais ajuda os outros?

4 | O que você faria mesmo se não fosse pago? Ou até o que já faz sem ser remunerado?

5 | Imagine que ao final da sua vida seus amigos e parentes leiam uma carta falando de você. O que você gostaria que falassem? Pelo que gostaria de ser lembrado? O que não poderia faltar?


Com base nas suas respostas, pense na seguinte frase:

“Meu propósito é (ESSÊNCIA) através de (FORMA/EXPRESSÃO)”.


Para ilustrar, seguem alguns exemplos de Essência e Forma:

- ESSÊNCIA: primeiro, pense na essência do seu trabalho ou do que gostaria de realizar. A essência permanece relativamente inalterada durante a sua vida, já que está ligada aos seus valores e talentos, e pode ser algo como: “alfabetizar adultos”, “encontrar a cura para doenças”, “trazer soluções para conflitos entre pessoas”, “liderar pessoas para um objetivo comum”, “desenvolver pessoas e vê-las crescerem como profissionais”, etc.

- FORMA: a forma é a maneira como a essência se dá em sua vida atualmente. Como ela se expressa. Ela pode mudar com o tempo e ao longo da vida, conforme as circunstâncias se alteram. Alguns exemplos de FORMAS: “dedicando-me majoritariamente à educação de adolescentes”, “trabalhando como voluntária em uma organização não governamental”, “trabalhando em uma empresa que valorize a criatividade e a estética”, “revisando textos que serão publicados em diferentes mídias e canais de comunicação”, “desenvolvendo equipamentos que melhorem a qualidade de vida das pessoas no trabalho”, “proporcionando uma experiência única de gastronomia para meus clientes”, etc.


Que tal começar a redigir o seu propósito?

Garanto que esse simples exercício te trará elementos importantes para trilhar seu caminho rumo à uma vida com mais significado.

Sucesso!

Desmistificando o PROPÓSITO: por que ele está tão em evidência atualmente? Por que parece tão difícil de encontrá-lo?

Mais do que nunca, vivemos hoje a era da realização. Buscamos um propósito por meio do nosso trabalho. Queremos nos sentir realizados exercendo nossos talentos, valores e motivações em nossas carreiras. 


E por que tanto tem se falado em propósito? 


Todos temos uma vocação e uma missão. E somos únicos. Dessa forma, podemos dizer que o propósito de cada um é tão único quanto sua oportunidade de implementá-lo. Ele é nossa bússola, nossa motivação mais forte. E descobri-lo permite a expressão mais verdadeira de cada ser humano.


Mas afinal, como encontrar nosso propósito por meio do trabalho com significado?


Pesquisas mostram que 80% das pessoas no mundo se sentem insatisfeitas com seu trabalho e não estão engajadas. É muita gente que não consegue exercer seu propósito, não acham? Não podemos abrir mão da nossa realização e de contribuirmos para um mundo melhor!

A boa notícia é que, para sentir essa contribuição e esse significado, o trabalho não precisa necessariamente englobar o desenvolvimento de um aplicativo revolucionário para a vida das pessoas em geral, ou erradicar a pobreza em uma comunidade, ou ainda auxiliar na pesquisa para a cura do câncer. Essa, aliás, é uma ilusão equivocada de muitas pessoas: que o propósito precisa necessariamente ser algo extraordinário e grandioso!

Um trabalho com importância menos profunda para a sociedade pode ser indispensável se agregar valor para algo ou alguém. Pode ser simplesmente desenvolver um produto útil para seu cliente ou fornecer um serviço genuinamente relevante para sua comunidade. Pode ser ainda apoiar constantemente os colegas de trabalho em seu desenvolvimento ou incrementar os lucros de sua empresa, reduzindo ineficácias e desperdícios em uma linha de produção.

Seja o propósito rebuscado ou simples, o que importa é que o mesmo tenha significado para a pessoa que o exerce, e que seja claro como seu esforço pessoal impacta os demais e contribui para tornar algo melhor.


Faz sentido? Convido então você a começar já a refletir sobre seu propósito!